Twitter

Twitter Updates

    Artigos Facebook

    Gestão sustentável de resíduos em Lisboa

    arquivos

    Julho 2010

    Maio 2010

    Abril 2010

    Março 2010

    Fevereiro 2010

    Janeiro 2010

    Dezembro 2009

    Novembro 2009

    Outubro 2009

    Setembro 2009

    Agosto 2009

    Julho 2009

    Junho 2009

    Maio 2009

    posts recentes

    Estamos aqui: lxsustentav...

    O LX Sustentável mudou

    Mais vale tarde do que nu...

    A resposta de Pachauri

    Ainda Brasília (mas agora...

    Não há cidades perfeitas ...

    Vamos ter uma Segunda Cir...

    Planeta pode entrar em ca...

    Siemens e LNEC vão avalia...

    Como seriam as cidades se...

    Quinta-feira, 13 de Agosto de 2009

    Uma casa sem factura de energia. No futuro será assim?

    Depois do Parque Mayer e da Avenida da Liberdade, seguimos agora até aos países nórdicos. Mais propriamente para a Dinamarca. Segundo descreve a agência Lusa, uma família dinamarquesa vai viver durante um ano numa casa onde a energia é fornecida por colectores solares e células fotovoltaicas.

     

    A “Casa para a Vida”, assim se chama, situa-se em Lystrup, Dinamarca, é uma das oito que está a ser utilizada para demonstração em vários países europeus, entre os quais Portugal. Na casa vive a família Simonsen, que vai servir de “cobaia” para tomar nota das vantagens, mas também dos aspectos que podem ser melhorados.

     

    A chave da casa está no equilibro entre o uso e a produção de energia. A arquitectura é moderna, os espaços são amplos e luminosos graças às janelas rasgadas nas fachadas e às clarabóias abertas nos quartos do primeiro andar. A energia é fornecida por colectores solares, que aquecem as águas e células fotovoltaicas que fornecem electricidade.

     

    A casa terá ainda uma área envidraçada bastante superior ao normal (40% de janelas face à área de construção), garantindo assim uma entrada optimizada da luz.

     

    Uma das questões mais interessantes é perceber que a casa produz mais energia que a que consome, estimando-se que o excedente anual de electricidade se situe nos 9,4 quilowatts/hora por metro quadrado. Como a família Simonsen não pode vender a energia que sobra, cede-a à rede eléctrica, recuperando-a nos meses que precisar.

     

    Segundo a mesma notícia, o preço e o medo da tecnologia poderá afastar os potenciais interessados numa casa destas. Mas não deixa de ser, por causa disso, uma boa ideia. Um pouco futurista, é certo, mas todas as ideias que hoje temos asseguradas, um dia começaram assim.
     

    publicado por LX Sustentável às 16:24
    link do post | comentar | favorito

    pesquisa

     
    Perfil de Lisboa Sustentável
    Lisboa Sustentável's Facebook Profile
    Cria o Teu Crachá

    Categorias

    todas as tags

    Parceiros












    Media Partners









    subscrever feeds