Twitter

Twitter Updates

    Artigos Facebook

    Gestão sustentável de resíduos em Lisboa

    arquivos

    Julho 2010

    Maio 2010

    Abril 2010

    Março 2010

    Fevereiro 2010

    Janeiro 2010

    Dezembro 2009

    Novembro 2009

    Outubro 2009

    Setembro 2009

    Agosto 2009

    Julho 2009

    Junho 2009

    Maio 2009

    posts recentes

    Estamos aqui: lxsustentav...

    O LX Sustentável mudou

    Mais vale tarde do que nu...

    A resposta de Pachauri

    Ainda Brasília (mas agora...

    Não há cidades perfeitas ...

    Vamos ter uma Segunda Cir...

    Planeta pode entrar em ca...

    Siemens e LNEC vão avalia...

    Como seriam as cidades se...

    Segunda-feira, 31 de Agosto de 2009

    Recolha Porta-a-Porta, cada vez mais perto de si

    Passados 22 anos do arranque da recolha selectiva em Lisboa com a introdução dos conhecidos vidrões, o sistema de recolha de resíduos, sejam eles indiferenciados ou provenientes da recolha selectiva, não cessa de evoluir. Cada vez mais, os cidadãos encontram mais e melhores soluções, pensadas à medida da realidade local, com vista à promoção de boas práticas ambientais.

     

    No caso da recolha de indiferenciados na cidade de Lisboa, esta é hoje na sua maioria composta por um sistema de porta-a-porta (PaP). Cerca de 80% da população lisboeta já não precisa de se deslocar ao contentor dos resíduos indiferenciados, bastando nos dias definidos deixar os contentores à porta de casa para serem recolhidos pelos funcionários municipais.

     

    A recolha selectiva, que em Lisboa vem sendo implementada de forma faseada desde 1987 e que em 1997 viu ser adoptado o sistema de ecopontos com o início da recolha do fluxo amarelo, também não pára de evoluir.

     

    Actualmente, o sistema mais comum é o da deposição de resíduos nos ecopontos, contudo o PaP tem vindo gradualmente a crescer, como complemento. Esta tem sido, desde 2005, uma aposta eficaz como forma de resposta aos condicionalismos geográficos da cidade, em concreto dos bairros históricos.

     

    Mas as opções não se esgotam aqui, porque havendo locais onde não é possível implementar o PaP, prevê-se a substituição dos ecopontos por eco-ilhas. Uma alternativa que, segundo a Câmara Municipal de Lisboa, apresenta uma vantagem relativamente aos ecopontos: a existência de pelo menos um contentor de indiferenciados.

     

    Para além dos benefícios sócio-ambientais que vêm sendo demonstrados, a estratégia actual tem sido a de uniformizar o sistema de recolha de indiferenciados e recicláveis, isto é, onde os indiferenciados são recolhidos por PaP, utilizando determinado tipo de equipamentos (contentores ou sacos), também o são os recicláveis e onde os indiferenciados são recolhidos por deposição colectiva também o são os recicláveis. Uma lógica que procura assegurar a sustentabilidade também no pilar económico.

     

     

     

    Sociedade Ponto Verde

    publicado por LX Sustentável às 10:23
    link do post | comentar | favorito

    pesquisa

     
    Perfil de Lisboa Sustentável
    Lisboa Sustentável's Facebook Profile
    Cria o Teu Crachá

    Categorias

    todas as tags

    Parceiros












    Media Partners









    subscrever feeds