Twitter

Twitter Updates

    Artigos Facebook

    Gestão sustentável de resíduos em Lisboa

    arquivos

    Julho 2010

    Maio 2010

    Abril 2010

    Março 2010

    Fevereiro 2010

    Janeiro 2010

    Dezembro 2009

    Novembro 2009

    Outubro 2009

    Setembro 2009

    Agosto 2009

    Julho 2009

    Junho 2009

    Maio 2009

    posts recentes

    Estamos aqui: lxsustentav...

    O LX Sustentável mudou

    Mais vale tarde do que nu...

    A resposta de Pachauri

    Ainda Brasília (mas agora...

    Não há cidades perfeitas ...

    Vamos ter uma Segunda Cir...

    Planeta pode entrar em ca...

    Siemens e LNEC vão avalia...

    Como seriam as cidades se...

    Quarta-feira, 18 de Novembro de 2009

    Conter a população ajuda a combater alterações climáticas

    Conter a população mundial pode ter o mesmo efeito no combate às alterações climáticas que construir milhões de aerogeradores para a produção de electricidade a partir do vento. A conclusão é do Fundo das Nações Unidas, num relatório sobre o Estado da População Mundial em 2009, publicado hoje.

     

    À medida em que a contagem decrescente para a Cimeira de Copenhaga vai chegando ao seu fim, multiplica-se a publicação de estudos e relatórios sobre as alterações climáticas. O de hoje, reconheçamos, promete alimentar polémica.

     

    “Reduzir o aumento da população ajudaria a aumentar a resiliência da sociedade às alterações climáticas e reduzir as emissões de gases com efeito de estufa no futuro”, explica a organização, citada pelo Público.

     

    Se a população crescer até aos oito mil milhões de pessoas até 2050, explica o relatório – em vez dos nove mil milhões previstos – seriam evitadas emissões de gases de estufa equivalentes a um a dois mil milhões de toneladas de dióxido de carbono.

     

    Este mesmo efeito seria provocado pela instalação de dois milhões de aerogeradores com um megawatt de potência – ou seja, multiplicar por 17 a capacidade mundial actualmente instalada em energia eólica – (e daí a comparação).

     

    Existem vários problemas derivados das alterações climáticas, como os movimentos migratórios, que levarão 200 milhões de pessoas a passar à condição de refugiados climáticos até 2050 – sobretudo mulheres, alerta também o estudo.

     

    “As mulheres, em particular nos países mais pobres, serão afectadas de forma diferente do que os homens”, avalia o estudo, que diz que o sexo feminino – que assegura 60 a 80% da produção de alimentos nos países em desenvolvimento – é mais vulnerável a extremos climáticos.

    publicado por LX Sustentável às 15:05
    link do post | comentar | favorito

    pesquisa

     
    Perfil de Lisboa Sustentável
    Lisboa Sustentável's Facebook Profile
    Cria o Teu Crachá

    Categorias

    todas as tags

    Parceiros












    Media Partners









    subscrever feeds