Twitter

Twitter Updates

    Artigos Facebook

    Gestão sustentável de resíduos em Lisboa

    arquivos

    Julho 2010

    Maio 2010

    Abril 2010

    Março 2010

    Fevereiro 2010

    Janeiro 2010

    Dezembro 2009

    Novembro 2009

    Outubro 2009

    Setembro 2009

    Agosto 2009

    Julho 2009

    Junho 2009

    Maio 2009

    posts recentes

    Estamos aqui: lxsustentav...

    O LX Sustentável mudou

    Mais vale tarde do que nu...

    A resposta de Pachauri

    Ainda Brasília (mas agora...

    Não há cidades perfeitas ...

    Vamos ter uma Segunda Cir...

    Planeta pode entrar em ca...

    Siemens e LNEC vão avalia...

    Como seriam as cidades se...

    Quarta-feira, 25 de Novembro de 2009

    Não será fácil convencer a China em Copenhaga

    É uma opinião consensual. A China tem um dos mais importantes papéis na Cimeira de Copenhaga, em Dezembro, mas as negociações não serão fáceis com esta nova potência mundial.

     

    O Governo chinês tem recusado um acordo para os objectivos pré-definidos para Copenhaga e não tem sido específico sobre uma data para que as suas emissões de CO2 comecem a descer.

     

    Ainda assim, o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Zhang Zhijun, explicou hoje à AFP que a China e a União Europeia “devem fortalecer a coordenação [entre ambas] e cooperar mais estreitamente na questão das alterações climáticas, porque isso serve os interesses comuns e ajudará nos esforços internacionais para [chegar a um acordo]."

     

    Para ajudar a melhorar esta coordenação, realiza-se a partir da próxima segunda-feira uma Cimeira entre ambas as partes em Nanjing, naquele país asiático.

     

    Um acordo, porém, parece difícil de alcançar. Se a União Europeia já se comprometeu a cortar nas emissões de gases causadores de efeito de estufa em 20% - segundo os níveis de 1990 – até 2020, podendo subir esta percentagem até aos 30% caso as outras partes façam os mesmos esforços, o plano chinês para Copenhaga é menos ambicioso.

     

    O Governo de Pequim diz que quer um “desfecho positivo” na Cimeira de Copenhaga, mas explica que a responsabilidade de cortar nas emissões de CO2 pertence às economias mais ricas, como os Estados Unidos e a União Europeia.

     

    De resto, este argumento parece ser o principal entrave – para além das já habituais reservas norte-americanas no que toca a acordos climáticos – para um consenso em Copenhaga.
     

    publicado por LX Sustentável às 13:09
    link do post | comentar | favorito

    pesquisa

     
    Perfil de Lisboa Sustentável
    Lisboa Sustentável's Facebook Profile
    Cria o Teu Crachá

    Categorias

    todas as tags

    Parceiros












    Media Partners









    subscrever feeds