Twitter

Twitter Updates

    Artigos Facebook

    Gestão sustentável de resíduos em Lisboa

    arquivos

    Julho 2010

    Maio 2010

    Abril 2010

    Março 2010

    Fevereiro 2010

    Janeiro 2010

    Dezembro 2009

    Novembro 2009

    Outubro 2009

    Setembro 2009

    Agosto 2009

    Julho 2009

    Junho 2009

    Maio 2009

    posts recentes

    Estamos aqui: lxsustentav...

    O LX Sustentável mudou

    Mais vale tarde do que nu...

    A resposta de Pachauri

    Ainda Brasília (mas agora...

    Não há cidades perfeitas ...

    Vamos ter uma Segunda Cir...

    Planeta pode entrar em ca...

    Siemens e LNEC vão avalia...

    Como seriam as cidades se...

    Sexta-feira, 27 de Novembro de 2009

    Portugal derrapa 5% nas metas de Quioto

    Portugal vai derrapar “apenas” 5% nas metas previstas para Quioto, um resultado conseguido, segundo os ambientalistas, devido ao bom desempenho das renováveis e, eventualmente, à crise económica – e consequente abrandamento industrial.

     

    Segundo os números da Comissão para as Alterações Climáticas, estima-se que, entre 2008 e 2012, período de cumprimento do Protocolo de Quioto, Portugal esteja 5% acima da quantidade que lhe foi atribuída, o que equivale a emitir mais 19,91 milhões de toneladas de dióxido de carbono do que o tecto de emissões de gases com efeito de estufa.

     

    No entanto, e segundo os especialistas, a crise económica e os mecanismos de flexibilidade previstos no Plano Nacional para as Alterações Climáticas (PNAC) deverão permitir abater esta percentagem e cumprir as metas previstas: aumentar em 27% as emissões, face a 1990.

     

    “Portugal vai cumprir esse objectivo não só através das medidas de redução directas, mas através de instrumentos de flexibilidade como os mecanismos de desenvolvimento limpo e o comércio de emissões”, explicou ao Diário Económico o especialista em alterações climáticas Viriato Soromenho-Marques.

     

    Recorde-se que, recentemente, Portugal já comprou direitos de emissão à Letónia. Uma estratégia que deverá continuar, para atingir as metas esperadas - e desejadas.
     

    publicado por LX Sustentável às 10:12
    link do post | comentar | favorito
    3 comentários:
    De MC a 30 de Novembro de 2009 às 17:38
    de sublinhar que portugal era o país da UE que mais direito tinha a aumentar as emissões. isto quando a média deveria baixar 8%.

    ter que comprar créditos para atingir o objectivo mais fácil que havia, é no mínimo uma enorme derrota para a nossa política ambiental.
    De Emanuel Proença a 30 de Novembro de 2009 às 21:29
    A verdade é que a meta, apesar de parecer boa, foi um desastre desde início (isto embora os políticos da altura a tenham dado como vitório). A meta parecia pouco exigente porque tinha em conta a necessidade de Portugal convergir em termos económicos, e por isso aumentar emissões.

    A consequência foi: nem convergimos económicamente, nem controlámos as emissões. Estamos agora a comprar emissões (para o período "barato" até 2011, está já prevista uma despesa de 280 Milhões de €), e o problema só vai piorar se não conseguirmos uma meta decente em Copenhaga (isto sem "artíficios" que façam de novo um péssimo acordo parecer bom...).

    Para trás fica o objectivo de tornar o país mais sustentável, menos poluente e mais desenvolvido...
    De MC a 2 de Dezembro de 2009 às 10:58
    Não faz muito sentido dizer que a meta tinha em conta a convergência económica, porque a convergência económica tem a ver com a desempenho relativo à média. Ora a poluição depende da nossa actividade económica, do nosso desempenho absoluto, não depende de como se estão a portar os outros países.
    Por outras palavras, se o resto da UE cresceu a 0% ou a 10% não tem qualquer impacto nas nossas emissões.

    Mas isso é secundário.

    Não concordo quando dizes que convergir implica aumento de emissões. Primeiro pelo que disse acima (emissões dependeriam do PIB em si e não do PIB relativo), e segundo porque há muitos países cujo PIB cresceu e as emissões desceram. Em Portugal tivemos emissões a crescer a um ritmo muito mais elevado que o PIB...
    Logo a relação PIB/emissões não é de modo nenhum óbvia.

    Comentar post

    pesquisa

     
    Perfil de Lisboa Sustentável
    Lisboa Sustentável's Facebook Profile
    Cria o Teu Crachá

    Categorias

    todas as tags

    Parceiros












    Media Partners









    subscrever feeds