Twitter

Twitter Updates

    Artigos Facebook

    Gestão sustentável de resíduos em Lisboa

    arquivos

    Julho 2010

    Maio 2010

    Abril 2010

    Março 2010

    Fevereiro 2010

    Janeiro 2010

    Dezembro 2009

    Novembro 2009

    Outubro 2009

    Setembro 2009

    Agosto 2009

    Julho 2009

    Junho 2009

    Maio 2009

    posts recentes

    Estamos aqui: lxsustentav...

    O LX Sustentável mudou

    Mais vale tarde do que nu...

    A resposta de Pachauri

    Ainda Brasília (mas agora...

    Não há cidades perfeitas ...

    Vamos ter uma Segunda Cir...

    Planeta pode entrar em ca...

    Siemens e LNEC vão avalia...

    Como seriam as cidades se...

    Quarta-feira, 10 de Fevereiro de 2010

    Emerald City, here we go! (parte 4)

    Depois de alguns dias de interregno, voltamos hoje a Emerald City para tentarmos perceber que outras inovações sustentáveis podem caber nas cidades do futuro. Aqui ficam elas (e já vamos na nona inovação…)

     

    9. Liberalização… das bicicletas. Cidades cada vez mais populosas precisam de mais e mais bicicletas. Uma maior utilização de bicicletas não só minimizará o congestionamento de tráfego e o nível de emissões de carbono como fará com que os seus cidadãos sejam mais saudáveis.

     

    Um exemplo: em Banguecoque, na Tailândia, a cidade investiu 220 mil euros em bicicletas gratuitas por toda a cidade – em troca apenas de um cartão de identidade ou passaporte.

     

    10. Reabilitar edifícios antigos. É claro que os edifícios nas cidades do futuro não podem ser todos construídos de raiz. Têm, isso sim, de ter níveis aceitáveis de eficiência energética. Portanto, a reabilitação de edifícios antigos – para serem mais eficientes energeticamente – será a forma mais fiável e importante para reduzir as emissões de carbono.

     

    Em Nova Iorque já se pensa nisso e o Empire State Building é um dos exemplos. O icónico edifício está a ser reabilitado para reduzir o consumo de energia entre 35 e 40%. Esta reabilitação irá custar cerca de 9,6 milhões de euros, mas será compensada, dentro de quatro anos, pela poupança que irá gerar: cerca de 2,7 milhões de euros por ano.

     

    11. Comida reciclada. Parte do lixo dos restaurantes da cidade pode ser reaproveitado para cultivar estufas ou hortas urbanas. Em Bombaim, na Índia, os restos de comidas – os que dão – são utilizados para ajudar a alimentar mais de 30 mil pessoas – numa horta com mais de 1.000 metros quadrados.

     

    São 120 variedades de árvores, arbustos e ervas que serão transformadas em comida para outra cozinhas – voltando mais tarde para a horta, onde começarão novamente o ciclo.

     

    12. Novas estruturas a partir de velhas construções. Em Emerald City, tudo o que é velho pode ser transformado em novo através da melhoria dos materiais de construção ou de projectos modernos que crescerão nas ruínas de outros já demolidos.

     

    Em Xangai, o hotel eco-chic URBN foi construído em cima de uma velha fábrica, utilizando materiais reciclados procurados localmente (como madeira, tijolos de casa antigas e outras estruturas) para parte da reconstrução.
     

    publicado por LX Sustentável às 17:01
    link do post | comentar | favorito

    pesquisa

     
    Perfil de Lisboa Sustentável
    Lisboa Sustentável's Facebook Profile
    Cria o Teu Crachá

    Categorias

    todas as tags

    Parceiros












    Media Partners









    subscrever feeds