Twitter

Twitter Updates

    Artigos Facebook

    Gestão sustentável de resíduos em Lisboa

    arquivos

    Julho 2010

    Maio 2010

    Abril 2010

    Março 2010

    Fevereiro 2010

    Janeiro 2010

    Dezembro 2009

    Novembro 2009

    Outubro 2009

    Setembro 2009

    Agosto 2009

    Julho 2009

    Junho 2009

    Maio 2009

    posts recentes

    Estamos aqui: lxsustentav...

    O LX Sustentável mudou

    Mais vale tarde do que nu...

    A resposta de Pachauri

    Ainda Brasília (mas agora...

    Não há cidades perfeitas ...

    Vamos ter uma Segunda Cir...

    Planeta pode entrar em ca...

    Siemens e LNEC vão avalia...

    Como seriam as cidades se...

    Segunda-feira, 13 de Julho de 2009

    G8 mostram (na teoria) o seu lado "verde"

    A notícia passou despercebida aos media nacionais, mas pelo que representa no panorama global, provavelmente merecia outro tratamento. Na semana passada, o G8 reuniu-se em Genebra, na Suíça, e comprometeu-se a reduzir as emissões de gases de estufa em 80%, até 2050.

    Apesar de época “verde” que atravessamos, em que Governos, empresas e cidadãos se mostram cada vez mais interessados e comprometidos com as causas ambientais e de sustentabilidade, não deixa de ser uma medida surpreendente. Tanto pela exigência da meta (apesar de estarmos a falar de um objectivo a quarenta anos) como pelo histórico de medidas ambientais da organização de onde ela partiu. O G8, recorde-se, é representado pelos Estados Unidos, Japão, Itália, Alemanha, França, Reino Unido, Rússia e Canadá.

    Segundo notícias veiculadas no final da semana passada, esta análise comparativa será feita a partir das emissões de carbono emitidas no ano de 1990.

    Paralelamente, os líderes do G8 aceitaram ainda a meta dos 2ºC até 2050, uma proposta avançada pela União Europeia que prevê que o mundo terá de limitar o aumento da temperatura média global, neste período, aos 2ºC. Exceder este limite é considerado perigoso.

    Apesar de tudo, estas medidas não ficaram isentas de algumas - poucas - críticas. Citado pela Agência Lusa, um representante da Quercus referiu que a instituição estava “satisfeita” com os compromissos ambientais assumidos pelo G8 mas explicou ser mais fácil acordar metas para 2020 e não apenas 2050. Uma ideia, de resto, também defendida por países como a França.

    Ainda que por vezes seja difícil passar da teoria para a prática, esta medida não deixa de ser uma boa notícia para o nosso planeta.
    Categorias:
    publicado por LX Sustentável às 10:59
    link do post | comentar | favorito

    pesquisa

     
    Perfil de Lisboa Sustentável
    Lisboa Sustentável's Facebook Profile
    Cria o Teu Crachá

    Categorias

    todas as tags

    Parceiros












    Media Partners









    subscrever feeds