Twitter

Twitter Updates

    Artigos Facebook

    Gestão sustentável de resíduos em Lisboa

    arquivos

    Julho 2010

    Maio 2010

    Abril 2010

    Março 2010

    Fevereiro 2010

    Janeiro 2010

    Dezembro 2009

    Novembro 2009

    Outubro 2009

    Setembro 2009

    Agosto 2009

    Julho 2009

    Junho 2009

    Maio 2009

    posts recentes

    Estamos aqui: lxsustentav...

    O LX Sustentável mudou

    Mais vale tarde do que nu...

    A resposta de Pachauri

    Ainda Brasília (mas agora...

    Não há cidades perfeitas ...

    Vamos ter uma Segunda Cir...

    Planeta pode entrar em ca...

    Siemens e LNEC vão avalia...

    Como seriam as cidades se...

    Terça-feira, 30 de Março de 2010

    Túnel do Marquês, Terceira Travessia do Tejo e as auto-estradas urbanas

    Muito interessante a discussão que se vem a desenrolar, nos últimos dias, no LXSustentável, sobre o Túnel do Marquês, a questão das auto-estradas na mobilidade sustentável das cidades – e que agora se expandiu para a questão da Terceira Travessia do Tejo. Como colocámos as questões, vamos agora dar as respostas dos nossos leitores.

     

    Em relação ao primeiro texto, do Túnel do Marquês, o nosso leitor Carlos afirma que esta obra “contribui claramente para a entrada de mais viaturas em Lisboa”. “É o que acontece sempre que se melhoram os acessos rodoviários. Mas o mesmo acontece, felizmente, com a melhoria da rede do metropolitano. Quanto maior a distribuição das pessoas pelos variados tipos de transporte, mais sustentável a nossa Lisboa se tornará”, continua o nosso leitor.

     

    O nosso leitor António Pedro Farinha coloca outra questão – paralela a esta – sobre a Terceira Travessia do Tejo. “A Terceira Travessia do Tejo prevê no seu ano de conclusão mais 38 mil veículos a entrarem em Lisboa por dia. Alguém se importa? Alguém contesta? Alguém critica?”, questiona o leitor.

     

    Uma questão muito pertinente e que se incluirá, também, neste texto que escrevemos na quinta-feira sobre as consequências da construção de auto-estradas junto das cidades.

     

    Em relação ao Túnel do Marquês, António Pedro Farinha admite que este resolveu “um problema sério de trânsito”. Mas acrescenta: “O ideal seriam restrições draconianas à circulação automóvel poluente nas grandes cidades, supridas por transporte público de qualidade e de oferta diversificada”, explica. E conclui. “Enquanto alinharmos por ideologias em vez de ideias, nada de essencialmente diferente se fará”.

     

    Voltando atrás e falando agora especificamente deste texto, o nosso leitor Carlos comentou que “quanto maior a distância entre a zona onde se reside e o local de trabalho, maior será a tendência para usar a viatura própria”. E porquê? “[Porque] a probabilidade de obter transportes eficientes que nos façam chegar rapidamente ao trabalho, a casa ou a outros locais é bastante menor.”

     

    A solução? “Concordaria que ao invés de se construírem mais auto-estradas rodoviárias passassem a construir-se auto-estradas ferroviárias. As que temos na região de Lisboa são claramente insuficientes”, explicou. E, finalmente, a questão do carro eléctrico. “Julgo, também, que a implementação do carro eléctrico em Portugal fará abrandar ainda mais o investimento na ferrovia, caso este último tivesse como principal argumento de desenvolvimento a sua sustentabilidade”.

     

    Obrigado a todos pelos comentários e continuem a exprimir as vossas opiniões sobre a sustentabilidade em Lisboa. As vossas ideias são sempre bem-vindas.

    publicado por LX Sustentável às 16:59
    link do post | comentar | favorito
    7 comentários:
    De Paulo Alves Santos a 30 de Março de 2010 às 22:59
    Concordo a 100% com os comentários dos dois leitores. O Túnel do Marquês. de facto, resolveu alguns problemas a curto prazo, mas no futuro poderá criar mais. A questão da Terceira Travessia do Tejo também é muito pertinente. O que irão fazer esses carros em Lisboa? Não seria melhor desenvolver os transportes ferroviários com mais comboios, a diferentes horas, para dar mais hipóteses a quem trabalha em LIsboa mas vive a alguns quilómetros de ter qualidade de vida?
    De Phil a 31 de Março de 2010 às 10:52
    E que tal portagens à entrada da cidade?!?!

    Creio que será a única forma de contornar o excesso de veículos que todos os dias infestam Lisboa!

    e até se poderá usar esse dinheiro para melhorar ainda mais a rede de transportes da Área Metropolitana de Lisboa.

    (e esta ideia não é nova, já a ouvi em muitos sitio e por muita gente...)

    Eu tenho carro, também o uso nas minhas deslocações a Lisboa, mas prefiro utilizar as alternativas...
    De Sérgio Miranda a 31 de Março de 2010 às 11:59
    Não me parece que o Túnel do Marquês tenha assim um papel tão activo na entrada de mais veículos em Lisboa.
    Não o vejo como um meio de acesso à cidade, está já no centro e parece-me mais um modo de melhorar a circulação interna do que a admisão de veículos.

    Pode acontecer que eliminar este bottleneck no final da A5 ajude ao escoamento de tráfego, mas aí o problema não é o acesso à cidade pelo Marquês, mas sim pela A5.

    Colocar um tampão no final de cada auto-estrada de acesso à cidade (tipo Calçada de carriche e A8, etc...) não resolve o problema, só o piora.
    Os carros para não entrarem na cidade, têm de ficar parados em casa e não numa fila de transito às portas desta.Quando aí chegam, já não vão deixar de entrar.
    Estes "tampões" só provocam poluição e gastos desnecessários.

    Portagens à entrada de Lisboa? Essa é uma das ideias que fica no livro das a implementar daqui a 20 anos ou 30 anos
    Até lá não acredito que apareça nenhum governante com coragem para tal sem que meio mundo (leia-se população da AML) lhe caia em cima.
    Dêem 10-12 anos no mínimo para o Metro terminar a expansão que tem prevista e pode ser que isso seja remotamente possível se for uma expansão bem feita acompanhada de estacionamentos e outras ligações.
    De Phil a 31 de Março de 2010 às 15:53
    Creio que é totalmente insustentável a cidade aguentar mais "10-12 anos no mínimo"...

    Algo tem de ser feito urgentemente! Meias medidas, como sejam o estacionamento pago, a luta contra o estacionamento ilegal, ou até a criação de novas alternativas de transporte, pouco vão fazer se não houver um "tampão" geral a esta debandada diária de milhares e milhares de automóveis...

    ...em que, cerca de 70%, trazem apenas um passageiro!
    De Sérgio Miranda a 31 de Março de 2010 às 18:10
    Nunca me parece que possa piorar muito mais ao ponto de haver uma vontade popular de mudança séria.
    Já é mau, vai continuar a ser mau e continuar a piorar aos "poucos".
    Os problemas serão os mesmos, mas continuamente mais graves. As queixas serão as mesmas, mas mais frequentes. No fim se o estacionamento for mais caro ou difícil de encontrar, se a a ida para o trabalho demorar mais 10min ou algo do género o português refila, mas acomoda-se. Mais não seja, começa a estacionar em cima do passeio ou a pagar ao arrumador para avariar o parquímetro.

    Quem tem o poder de decisão nunca vai ter coragem de assumir medidas duras e altamente penalizantes e controversas como "portagens para entrar em Lisboa", sobretudo em período de crise como estamos e vamos continuar.
    O António Costa nem o Orçamento vê aprovado quanto mais portagens na cidade! Contentores, licenciamentos, orçamentos...não há uma medida tomada em Lisboa que não envolva as guerrinhas partidárias nojentas e os habituais "diz que disse", "prometeu e não cumpriu","isso vem do meu antecessor". A politica está, tal como a cidade, podre. Esperar deles a mudança é depositar confiança a fundo perdido

    Lisboa tem um bocadinho aquilo que merece. Entregou-se à especulação imobiliária, assistiu à população fugir para os arredores sem nada fazer nada de substancial excepto dar-lhe mais e melhores meios de se deslocarem mais e de mais longe..
    Agora tem velhos, lojas e escritórios num centro cada vez mais deserto de habitantes e cheio de empregados (com excepções, claro).

    No fundo, julgo que esta questão dos movimentos pendulares, da massa de veículos que entra diariamente na cidade praticamente vazios e afins nunca vai mudar se uma grande parte dessa população que se desloca diariamente para trabalhar na cidade não se fixar em Lisboa, e assim deixarem de achar vantajoso fazer 20, 30, 50 ou mais Kms para ir trabalhar.

    Não basta pôr um tampão no fluxo que continua a aumentar.
    Eventualmente, essa rolha vai saltar.
    É preciso dar a esse fluxo um motivo para não existir.
    Uma rolha é exactamente uma "meia-medida" porque não resolve o problema, apenas o disfarça até certo ponto.

    Como essa mudança realisticamente NUNCA vai acontecer nos próximos anos, nem julgo eu na próxima década...meias medidas, planos, estudos, projectos, boas intenções e tudo o mais que já estamos habituados será o que teremos.
    De Antonio Pedro Farinha a 7 de Abril de 2010 às 20:36
    uma correção à transcrição correcta de uma afirmação errada" “A Terceira Travessia do Tejo prevê no seu ano de conclusão 38 mil veículos a entrarem em Lisboa por dia. Não são mais 38 mil porque a TTT irá absorver tráfego das duas pontes adjacentes, mas estudos prevêem um acrescímo de 17000 veículos dia em Lisboa, nada de negligenciável portanto.
    De Sérgio Miranda a 8 de Abril de 2010 às 15:20
    Manuel Salgado, em entrevista ao publico:

    "Lisboa vive uma situação absolutamente dramática em termos de falta de população. E também distorcida: temos um pouco menos de meio milhão de habitantes e 26 mil fogos municipais. Mais de metade destas 500 mil pessoas não pertencem à população activa. Só para se ter uma noção da gravidade da situação, Barcelona tem 1,7 milhões de habitantes e nove mil fogos municipais de habitação social.

    (Público:)É uma cidade de velhos...

    ... de velhos e de pobres, à qual afluem diariamente mais pessoas do que aquelas que cá vivem. As receitas municipais têm vindo a diminuir nos últimos dez anos por via da saída de empresas e de gente. É indispensável um consenso entre todas as forças políticas para pormos em prática medidas que invertam esta tendência. "

    Acho que está tudo dito.
    Só falta mudar.

    Comentar post

    pesquisa

     
    Perfil de Lisboa Sustentável
    Lisboa Sustentável's Facebook Profile
    Cria o Teu Crachá

    Categorias

    todas as tags

    Parceiros












    Media Partners









    subscrever feeds