Twitter

Twitter Updates

    Artigos Facebook

    Gestão sustentável de resíduos em Lisboa

    arquivos

    Julho 2010

    Maio 2010

    Abril 2010

    Março 2010

    Fevereiro 2010

    Janeiro 2010

    Dezembro 2009

    Novembro 2009

    Outubro 2009

    Setembro 2009

    Agosto 2009

    Julho 2009

    Junho 2009

    Maio 2009

    posts recentes

    Estamos aqui: lxsustentav...

    O LX Sustentável mudou

    Mais vale tarde do que nu...

    A resposta de Pachauri

    Ainda Brasília (mas agora...

    Não há cidades perfeitas ...

    Vamos ter uma Segunda Cir...

    Planeta pode entrar em ca...

    Siemens e LNEC vão avalia...

    Como seriam as cidades se...

    Terça-feira, 20 de Abril de 2010

    Como seriam as cidades sem bicicletas?

    A utilização das bicicletas como meio de transporte pode contribuir para a diminuição das emissões de gases de efeito de estufa e do trânsito nas cidades. A afirmação (que é óbvia) é de Roel Massink, investigador da Universidade de Twente, na Holanda.

     

    No entanto, publicamos esta notícia porque o investigador decidiu analisar como seria uma cidade sem bicicletas – e quais seriam os meios de transporte alternativos.

     

    O resultado deu origem à sua tese de mestrado denominada “Estimating the Climate Value of Bicycling in Bogotá, Colombia, using a Shadow Pricing Methodology”, que foi apresentada recentemente no 1º Fórum das Américas sobre a Mobilidade nas Cidades, que teve lugar em Florianópolis, no Brasil.

     

    Considerando Bogotá, na Colômbia, como modelo a seguir – uma cidade onde 3,3% da população utiliza a bicicleta como meio de transporte – Massink reuniu dados sobre como se deslocam os seus habitantes.

     

    O objectivo passou também por escolher uma cidade de um país emergente, para perceber que estes terão que repensar a forma como planeiam as suas metrópoles.

     

    A sua conclusão foi clara: apesar de Bogotá ser a única cidade mundial que possui um projecto de transporte público que vai ao encontro do programa de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) - o TransMilênio -, se as bicicletas fossem retiradas das ruas as classes mais abastadas escolheriam os veículos privados como meio de transporte alternativo para circularem na cidade.

     

    No entanto, Massink verificou ainda que a utilização da bicicleta em Bogotá representa uma redução nas emissões diárias de 95 toneladas de dióxido de carbono ou de 54 mil toneladas anualmente.

     

    Por isso, o investigador sugere que a expansão das ciclovias é também uma forma de combater o aquecimento global. Por outro lado, os planeadores urbanos não devem nunca descurar outro facto importante: é indispensável ligar as bicicletas a transportes públicos: autocarros, metro ou comboio.

     

    Massink espera agora aplicar o seu estudo sobre os impactos positivos da bicicleta no trânsito e no meio ambiente a outras cidades, de forma a desenvolver um modelo extensível a todo o mundo. As bicicletas devem ficar no coração das cidades, conclui Massink. Concorda?

     

    Pode saber mais sobre o estudo de Massink aqui.

    publicado por LX Sustentável às 17:57
    link do post | comentar | favorito

    pesquisa

     
    Perfil de Lisboa Sustentável
    Lisboa Sustentável's Facebook Profile
    Cria o Teu Crachá

    Categorias

    todas as tags

    Parceiros












    Media Partners









    subscrever feeds