Artigos Facebook

Gestão sustentável de resíduos em Lisboa

arquivos

Julho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

posts recentes

Estamos aqui: lxsustentav...

O LX Sustentável mudou

Mais vale tarde do que nu...

A resposta de Pachauri

Ainda Brasília (mas agora...

Não há cidades perfeitas ...

Vamos ter uma Segunda Cir...

Planeta pode entrar em ca...

Siemens e LNEC vão avalia...

Como seriam as cidades se...

Sexta-feira, 16 de Outubro de 2009

As juntas de freguesia na construção de uma Lisboa Sustentável

Aproveitamos o post de ontem – e o facto do Congresso Mundial de Resíduos se realizar em Portugal – para continuar a debater um tema que, devido à sua própria natureza, não mencionamos muitas vezes neste espaço.

 

Assim, e ainda segundo um artigo do Ambiente Online, o envolvimento das autoridade locais é “chave” para o sucesso dos projectos ambientais. “[É preciso] dar continuidade aos projectos locais de sensibilização ambiental, para que estes tenham realmente sucesso”, explicou Luísa Schmidt, investigadora do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa.

 

Citada pelo Ambiente Online, Schmidt acrescentou que este apelo se deve ao facto de alguns presidentes de junta de freguesia envolvidos no projecto “Eco-freguesias XXI” terem abanonado o modelo desenvolvido. “Os autarcas são actores-chave no processo de sensibilização ambiental”, alertou a socióloga. 

 

O projecto “Eco-freguesias XXI” decorreu entre 2004 e 2007 e envolveu quatro autarquias e 53 juntas de freguesia, para além de escolas, empresas e instituições. Um dos objectivos do projecto passou por aumentar os níveis de separação de resíduos sólidos urbanos e promover a limpeza urbana.

 

O “Eco-freguesias” foi fundamental para que houvesse um aumento de recolha selectiva nos quatro concelhos que participaram no programa. “[O Eco-freguesias pode ser aplicado] em qualquer localidade, desde que se fomente uma nova cultura do lixo”, concluiu Schmidt.

 

É importante perceber que a cidade é também a soma – mas não só – das várias freguesias que a compõem. E numa grande cidade, como Lisboa, esta soma acaba por ser mais importante que noutra qualquer autarquia mais pequena.

 

A sustentabilidade em Lisboa passa também - e muito - pelas políticas estruturadas e desenvolvidas pelas juntas de freguesia – e é bom não perder isso de vista.

publicado por LX Sustentável às 15:36
link do post | comentar | favorito

pesquisa

 

Categorias

todas as tags

subscrever feeds