Artigos Facebook

Gestão sustentável de resíduos em Lisboa

arquivos

Julho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

posts recentes

Estamos aqui: lxsustentav...

O LX Sustentável mudou

Mais vale tarde do que nu...

A resposta de Pachauri

Ainda Brasília (mas agora...

Não há cidades perfeitas ...

Vamos ter uma Segunda Cir...

Planeta pode entrar em ca...

Siemens e LNEC vão avalia...

Como seriam as cidades se...

Terça-feira, 20 de Outubro de 2009

Masdar City: A eco-cidade que vem do deserto

Abu Dhabi está no meio de um deserto, onde o calor é escaldante, não há água potável, tem o mar poluído e as terras não são férteis (estão cobertas de areia). A cidade tem também o maior consumidor per capital de combustível, está fortemente dependente do automóvel – tem uma auto-estrada com 12 faixas, por exemplo – e estruturas de dessalinização que consomem uma quantidade grotesca de energia e ar condicionado.

 

Com tudo isto, segundo explica esta semana o Weekend Económico (a partir de um texto do Financial Times), não é difícil de perceber o pânico que o aquecimento global pode provocar numa das mais ricas cidades do mundo.

 

Com um futuro tão pintado de negro, os responsáveis de Abu Dhabi puseram mãos à obra e estão construir a primeira eco-cidade do mundo: Masdar City.

 

O objectivo é consolidar Abu Dhabi como a capital da energia – quando o petróleo se esgotar – a partir de uma cidade que é, basicamente, o oposto da actual Abu Dhabi.

 

O projecto está a ser trabalhado pelo arquitecto Gerard Evenden, da britânica Foster & Partners, e vai custar 22 mil milhões de dólares. Em causa está uma cidade de seis milhões de metros quadrados, concebida para albergar 50 mil habitantes e para ser totalmente sustentável.

 

Será a primeira cidade carbono zero do mundo, gerando a sua energia a partir de energia solar e eólica. A cidade terá todo o lixo e água reciclados e será murada – para evitar que cresça de forma desorganizada. As muralhas irão ainda proteger a cidade dos ventos do deserto.

 

Foram ainda postas de parte as concepções urbanísticas das grandes metrópoles dos finais de século XX e XXI: as grandes avenidas foram substituídas por ruelas com sombras e não há arranha-céus. Os prédios mais altos têm cinco ou menos andares.

 

Masdar remeterá para as antigas cidades árabes, terá palmeiras e piscinas espalhadas por todo o lado e deixa de fora as grandes e longas estradas. Terá também zonas pedonais (algo que praticamente não existe em Abu Dhabi) e um sistema de transportes públicos inovador e integrado.

 

Serão veículos que circulam no subsolo, que param em determinados pontos da ciadde e distribuem os residentes utilizando tecnologia de ponta, que está a ser desenvolvida na Holanda.

 

Depois de Dongtan, na China, ter abandonado o seu plano eco-citadino, Masdar tornou-se no principal foco dos media globais, no que torna a projectos (megalómanos) de cidades sustentáveis. Se for bem sucedida, esta estratégia pode ser utilizada e replicada noutros pontos do globo. E, porque não, também em Portugal.

 

Saiba mais sobre Masdar City aqui ou aqui.


 

publicado por LX Sustentável às 13:49
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De João Paulo Aires a 21 de Outubro de 2009 às 19:45
Deveras interessante!

Mas... e os custos?

Se Abu Dabi é suportada pelas receitas do petrodólares... como garantir a sustentablidade económica de Masdar City?

Esse projecto de financiamento já foi ponderado/divulgado?

Grato

JPA

Comentar post

pesquisa

 

Categorias

todas as tags

subscrever feeds