Artigos Facebook

Gestão sustentável de resíduos em Lisboa

arquivos

Julho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

posts recentes

Estamos aqui: lxsustentav...

O LX Sustentável mudou

Mais vale tarde do que nu...

A resposta de Pachauri

Ainda Brasília (mas agora...

Não há cidades perfeitas ...

Vamos ter uma Segunda Cir...

Planeta pode entrar em ca...

Siemens e LNEC vão avalia...

Como seriam as cidades se...

Sexta-feira, 13 de Novembro de 2009

Falta de políticas de redução do lixo penaliza Lisboa

A falta de políticas relativas à redução do lixo, reciclagem e ao reuso coloca Lisboa no 22º lugar em 30 possíveis no estudo que a Economist Intelligence Unit desenvolveu para a Siemens, e que tem na sustentabilidade citadina o seu tema principal. A posição de Lisboa na categoria de resíduos e utilização do solo é acompanhada de uma pontuação de 5.34, contra 6.27 da média europeia e 8.98 da melhor cidade analisada.

 

Para chegar a estes valores, a Economist Intellingece Unit pegou em quatro indicadores base, cada uma valendo 25%: produção de resíduos municipais, reciclagem, políticas de redução de resíduos e políticas verdes de utilização do solo.

 

Segundo avança o Economist na sua análise mais profunda a esta categoria em Lisboa, em 2007 cerca de “95% das habitações lisboetas estavam ligadas a sistemas de esgotos, enquanto que na maioria das cidades da Europa Ocidental este indicador situava-se entre 98 e 100%”.

 

Por outro lado, e com um valor de 538 quilogramas por pessoa, o nível de produção de resíduos está acima da média das outras cidades, que é de 511 quilogramas. Para agravar a pontuação, também a percentagem de lixo que é reciclado – 7,1% – está também bastante abaixo da média de 18% alcançada nas 30 cidades estudadas.

 

“O uso de terrenos contaminados foi incentivado até 1998, quando a cidade acolheu a Expo – mas, desde então, têm faltado projectos para tornar o uso do solo mais eficiente”, argumenta o Economist sobre o último indicador analisado.

 

O estudo critica ainda a redução de áreas verdes nos últimos 30 anos e realça a estratégica energético-ambiental que estabeleceu, até 2013, uma redução de 10% na procura por materiais não-recicláveis. 

 

Na segunda-feira, vamos falar da qualidade do ar, uma área em que Lisboa também tem ainda muito que “pedalar” para ser sustentável.
 

publicado por LX Sustentável às 14:47
link do post | comentar | favorito

pesquisa

 

Categorias

todas as tags

subscrever feeds