Artigos Facebook

Gestão sustentável de resíduos em Lisboa

arquivos

Julho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

posts recentes

Estamos aqui: lxsustentav...

O LX Sustentável mudou

Mais vale tarde do que nu...

A resposta de Pachauri

Ainda Brasília (mas agora...

Não há cidades perfeitas ...

Vamos ter uma Segunda Cir...

Planeta pode entrar em ca...

Siemens e LNEC vão avalia...

Como seriam as cidades se...

Segunda-feira, 16 de Novembro de 2009

Qualidade do ar: Lisboa em 24º lugar no estudo do Economist

A cidade de Lisboa não conseguiu melhor que o 24º lugar, na categoria de qualidade do ar, no total das 30 cidades europeias analisadas pela Economist Intelligence Unit. Esta foi a segunda pior categoria, em oito, no estudo sobre a sustentabilidade lisboeta desenvolvido pelo Economist para a Siemens.

 

Assim, Lisboa arrecadou apenas 4.93 pontos em dez possíveis, contra 9.37 da melhor cidade analisada e 6.75 pontos na média das 30 cidades. Segundo o Economist, este pobre resultado deve-se aos “elevados níveis de partículas em suspensão no ar e dióxido de nitrogénio”.

 

“As políticas de ar-limpo e de redução do tráfego rodoviário não foram até agora uma prioridade para a cidade e essa falha tem contribuído para a deterioração da qualidade do ar”, revelou.

 

E ainda mais críticas. “Embora não existam objectivos explícitos para a qualidade do ar em Lisboa, uma directiva europeia de 2003 estabelece metas para a qualidade do ar em todo o país. Mas Lisboa tem sido alvo de acções judiciais por parte da Comissão Europeia, pois não tem cumprido as metas da directiva”.

 

No entanto, há também boas notícias. “Mais positivas são as baixas emissões de dióxido de enxofre e de ozono, pois existe pouca produção industrial na zona”, explica.

 

Finalmente, e em relação às iniciativas actuais para a melhoria da qualidade do ar, o Economist dá ênfase às políticas para a utilização da energias renováveis e redução do consumo energético, medidas essas que “poderão conduzir a uma melhoria da qualidade do ar na cidade”.

 

Nesta categoria forma analisados cinco indicadores, sendo que a avaliação teve percentagens distintas. Assim, contou 19% para a média final as emissões de dióxido de nitrogénio, ozono, partículas em suspensão no ar e dióxido de enxofre. O último parâmetro avaliado, e que contou 25% para a nota final, foi o das políticas de ar-limpo da cidade (que, como revelamos acima, teve uma nota positiva).

 

Amanhã vamos analisar a última categoria do estudo: green governance, uma  categoria transversal a todas as outras e em que Lisboa, recorde-se, obteve a sua melhor prestação em todo o estudo: 8.22 pontos em 10 possíveis e o 12º lugar no ranking das 30 cidades.
 

publicado por LX Sustentável às 10:45
link do post | comentar | favorito

pesquisa

 

Categorias

todas as tags

subscrever feeds