Artigos Facebook

Gestão sustentável de resíduos em Lisboa

arquivos

Julho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

posts recentes

Estamos aqui: lxsustentav...

O LX Sustentável mudou

Mais vale tarde do que nu...

A resposta de Pachauri

Ainda Brasília (mas agora...

Não há cidades perfeitas ...

Vamos ter uma Segunda Cir...

Planeta pode entrar em ca...

Siemens e LNEC vão avalia...

Como seriam as cidades se...

Terça-feira, 2 de Fevereiro de 2010

O peso de cada sector para as emissões de CO2

Excelente o artigo de ontem do jornal Público sobre o cumprimento português dos primeiros dos anos do Protocolo de Quioto.

 

Comecemos pela conclusão do jornalista Ricardo Garcia: as energias renováveis, a crise económica e o (alto) preço dos combustíveis ajudaram Portugal a enfrentar estes dois primeiros anos (2008 e 2009) do Protocolo de Quioto, mas ainda há muito a fazer para os três seguintes (2010 a 2012).

 

Na electricidade, as emissões caíram 1% nos últimos dois anos, sobretudo devido ao sucesso das renováveis. Este sector contabiliza hoje 26% do total de emissões de CO2 de Portugal.

 

No que toca ao sector dos transportes, reconhecidamente um dos mais poluente da maioria dos países desenvolvidos ou em desenvolvimento, esta queda nos últimos dois anos foi maior – 1,8%, devido à alta no preço do petróleo. Este sector, porém, representa 23% do total de emissões nacionais.

 

“O balanço é claramente muito positivo”, explicou ao Público o secretário de Estado do Ambiente, Humberto Rosa. Ainda assim, o responsável reconhece que a área dos transportes é uma das mais difíceis e afirma que as medidas em atraso poderão “carecer de um plano de contingência”.

 

Este plano, de resto, está previsto no Programa Nacional para as Alterações Climáticas (PNAC). Em 2005, Portugal estava 21% acima da sua meta de Quioto: não deixar que, entre 2008 e 2012, as emissões ultrapassem em mais de 27% os valores de 1990.

 

Em 2006, a distância para a meta de Quioto desceu para os 14% e, em 2007, para os 9%. Um ano depois, Portugal já só estava 6% acima das suas metas. “A perspectiva é a de que 2009 seja um ano de consolidação desta descida”, continuou Humberto Rosa.

 

Ainda assim, Portugal está a comprar créditos de poluição no exterior. Neste momento, o país já tem o suficiente para compensar 2,29 milhões de toneladas de CO2, mas no futuro o Governo pretende adquirir créditos para 20 milhões de toneladas.

 

Aqui fica o peso dos principais sectores poluidores para as emissões portuguesas. A fonte é o próprio jornal Público.

 

Electricidade: 26%


Transportes: 23%


Outras indústrias e construção: 22%


Florestas: Não há dados concretos


Agricultura e resíduos: 19%


Residencial e serviços: 8%
 

 

publicado por LX Sustentável às 16:37
link do post | comentar | favorito

pesquisa

 

Categorias

todas as tags

subscrever feeds