Artigos Facebook

Gestão sustentável de resíduos em Lisboa

arquivos

Julho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

posts recentes

Estamos aqui: lxsustentav...

O LX Sustentável mudou

Mais vale tarde do que nu...

A resposta de Pachauri

Ainda Brasília (mas agora...

Não há cidades perfeitas ...

Vamos ter uma Segunda Cir...

Planeta pode entrar em ca...

Siemens e LNEC vão avalia...

Como seriam as cidades se...

Sexta-feira, 5 de Fevereiro de 2010

Emerald City, a cidade perfeita (parte 3)

Hoje continuaremos a analisar Emerald City, a cidade mais sustentável do mundo – que por acaso é fictícia – e construída pela CNN com partes reais de outras cidades.

Em destaque, hoje, vamos ter os veículos eléctricos, as hortas urbanas e os edifícios neutros em carbono.

 

6. Veículos Eléctricos. Segundo a CNN, os veículos eléctricos são – pelo menos para já – os meios de transporte alternativos mais limpos (no LXSustentável preferimos, ainda assim, o conceito Menos Um Carro…). A cidade de Hong Kong, por exemplo, está a lançar um projecto que permite ao possuidor de carro eléctrico carregar, gratuitamente, a sua viatura. Ao todo são 21 estações de carregamento.

 

Os carros têm uma velocidade máxima de 64 quilómetros por hora e podem viajar até 112 quilómetros só com um carregamento, que dura entre seis a oito horas. No futuro, carregar o veículo pode custar até 50 cêntimos por cada 25 quilómetros… mas ainda assim é 70% mais barato que pôr gasolina.

 

7. Hortas Urbanas. Terras aráveis não são propriamente sinónimo de cidade ou zonas comerciais densas, por isso Emerald City terá de ser criativa para conseguir incorporar hortas urbanas. A solução? Plantar hortas no topo dos edifícios.

 

Foi essa, por exemplo, a ideia do capitalista “agricultor” Kazuki Iimura, que está a meter na mesma frase – de forma a que faça sentido – as palavras Tóquio e agricultura. O empreendedor converteu o topo inutilizado de edifícios perto de Omotesando em jardins vegetais, e terrenos vazios de Chuo Dori em campos de arroz. Outro exemplo: em Havana, Cuba, 50% dos vegetais consumidos na cidade são plantados nas áreas urbanas ou quintais das casas.

 

8. Edifícios sustentáveis. Sim, é verdade que já aqui falámos, no ponto 5, da importância dos edifícios livres de carbono nas cidades do futuro. Mas, segundo a CNN, esse ponto deve ser novamente referido.

 

Diz a televisão norte-americana que, embora o foco do edifício deva ser a energia, a água é também uma parte vital da sustentabilidade de Emerald City. E os edifícios terão de reciclar parte da água que utilizam.

 

Como por exemplo a futura sede do Deutsche Bank, em Frankfurt, cuja água armazenada das chuvas e dos resíduos utilizados no edifício é recolhida, tratada e reutilizada em casas de banho e sistemas de irrigação. Este sistema, mal a renovação da sede do Deutsche Bank esteja terminada, deverá ajudar a poupar 74% da água utilizada. Nada mau.


 

publicado por LX Sustentável às 16:22
link do post | comentar | favorito

pesquisa

 

Categorias

todas as tags

subscrever feeds