Artigos Facebook

Gestão sustentável de resíduos em Lisboa

arquivos

Julho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

posts recentes

Estamos aqui: lxsustentav...

O LX Sustentável mudou

Mais vale tarde do que nu...

A resposta de Pachauri

Ainda Brasília (mas agora...

Não há cidades perfeitas ...

Vamos ter uma Segunda Cir...

Planeta pode entrar em ca...

Siemens e LNEC vão avalia...

Como seriam as cidades se...

Terça-feira, 9 de Fevereiro de 2010

Ainda o post sobre a cidade eco-inteligente de Paredes

Depois deste post que colocámos hoje de manhã acerca deste assunto, o leitor Nuno Rafael Relvão respondeu às questões colocadas pelo Pedro M.

 

A excelência e prontidão nas respostas – quer concorde-se ou não com elas – obriga-nos a colocá-las também em destaque.

 

Confira aqui:

 

P: O aumento explosivo das populações urbanas é encarado como um facto acrítico e benévolo à partida? Este crescimento está previsto para a Europa ou Ásia?

 

R: Concordo que a aceitação acrítica do êxodo rural por este projecto é de facto desmotivante.

 

Penso que grande parte do problema está na continuada distinção entre ambientes urbanos e rurais.

 

Deveríamos, isso sim, tratar todo o território com um e estabelecer estratégias Urbanas, mas tanto para a Cidade como para o Campo.

 

O direito à Urbanidade deve ser geral!

 

Qualquer aglomerado é passível de se tornar imediatamente Urbano se os serviços procurados nas Cidades passarem a ser não-exclusivos.

 

P: Soa melhor fazer "obra", mas qual é a sustentabilidade de construir uma cidade de raiz quando a área metropolitana do Porto tem milhares de edifícios devolutos ou vazios?    

 

R: De facto poderá parecer um paradoxo criar Cidade por oposição a requalificar, no entanto, o que para mim é errado é desde logo o próprio modelo actual de Cidade, de massificação de densidade.

 

Se fossem requalificados esses edifícios e milhares de novas famílias com os seus automóveis fossem habitar no Porto, como se tornariam as dinâmicas sociais? Como se transformaria o tráfego motor? E quanto a empregos?

 

Não ficaria a cidade saturada? É possível cada vez centralizar mais, adensar mais, "encher" mais? Não transbordará?

 

Neste aspecto acredito mais em conceitos de cidades satélite.

 

Mas e os espaços a necessitar de requalificação?

 

Porque não devolver o espaço aos cidadãos? Estão em mau estado? Quanto custa a requalificação? Porque não antes usar essas zonas para criar novos espaços públicos e parques verdes?

 

Temos mesmo que continuamente "amontoar" nas cidades?

 

Assim o local periférico escolhido permite no mínimo descentralizar e relacionar fluxos criando dinâmica no território por oposição à estática das cidades e ao êxodo rural.
 

publicado por LX Sustentável às 15:47
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Nuno Rafael Relvão a 9 de Fevereiro de 2010 às 18:05
Permitam-me agradecer o destaque e os elogios à minha participação.

Comentar post

pesquisa

 

Categorias

todas as tags

subscrever feeds