Artigos Facebook

Gestão sustentável de resíduos em Lisboa

arquivos

Julho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

posts recentes

Estamos aqui: lxsustentav...

O LX Sustentável mudou

Mais vale tarde do que nu...

A resposta de Pachauri

Ainda Brasília (mas agora...

Não há cidades perfeitas ...

Vamos ter uma Segunda Cir...

Planeta pode entrar em ca...

Siemens e LNEC vão avalia...

Como seriam as cidades se...

Quarta-feira, 17 de Fevereiro de 2010

Construção em terra é alternativa sustentável?

A construção em terra é uma boa alternativa para a arquitectura contemporânea, sobretudo a habitacional, defendeu esta semana Maria Fernandes, arquitecta ligada ao Centro de Estudos Arqueológicos da Universidade de Coimbra.

 

Citada pela Agência Lusa na preparação para o 6º Seminário de Arquitectura de Terra em Portugal e 9º Seminário Ibero-Americano de Arquitectura e Construção em Terra, a arquitecta explicou que a construção em terra é económica, sustentável e “acessível em qualquer parte do mundo”.

 

Segundo Maria Fernandes, trata-se de uma construção de custos muito mais baixos, que permite a produção dos materiais e tem custos energéticos menores, dada a sua elevada eficiência térmica.

 

Este tipo de arquitectura tem ganho, nos últimos anos, uma especial relevância nos países desenvolvidos, com projectos nos Estados Unidos (Texas, Califórnia e Novo México), Suíça e Alemanha.

 

Em Portugal, por outro lado, nomes como Alexandre Bastos, Graça Jalles, Henrique Schreck ou Teresa Beirão têm também desenvolvido projectos de construção em terra.

 

Confrontada com as fragilidades da construção em terra, como a resistência a sismos, Maria Fernandes explicou que esta tem vindo a seu melhorada, com técnicas que aconselham uma construção o mais equilibrada possível, a utilização de redes de malhas plásticas nas paredes e o escoramento com vigas em madeira.

 

O seminário decorre nos próximos dias 21 e 22 deste mês, na Universidade de Coimbra, e vai reunir 200 investigadores e profissionais ligados à arquitectura, engenharia, antropologia e história.

 

Será que a construção do futuro – e energeticamente mais eficiente – nos levará umas centenas de anos atrás?
 

publicado por LX Sustentável às 12:19
link do post | comentar | favorito

pesquisa

 

Categorias

todas as tags

subscrever feeds