Artigos Facebook

Gestão sustentável de resíduos em Lisboa

arquivos

Julho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

posts recentes

Estamos aqui: lxsustentav...

O LX Sustentável mudou

Mais vale tarde do que nu...

A resposta de Pachauri

Ainda Brasília (mas agora...

Não há cidades perfeitas ...

Vamos ter uma Segunda Cir...

Planeta pode entrar em ca...

Siemens e LNEC vão avalia...

Como seriam as cidades se...

Quinta-feira, 18 de Fevereiro de 2010

Estarreja investe em piscina eco-eficiente

Todos os equipamentos de uma cidade devem, cada vez mais, obedecer a princípios de eco-eficiência. Por isso hoje subimos até Estarreja e ao novo complexo de piscinas em que a cidade do concelho de Aveiro está a investir.

 

Assim, a construção do novo complexo de piscinas de Estarreja irá diminuir a emissão de dióxido de carbono em 136 toneladas – em relação a uma piscina “normal” – e incrementar a poupança de água.

 

Segundo engenheiro civil Adolfo Vidal, a nova Piscina Municipal de Estarreja será “a primeira a nível nacional a praticar os princípios da eco-eficiência, nomeadamente ao nível da cobertura para as águas, aproveitamento de águas pluviais, tratamento das águas residuais, isolamento térmico e acústico."

 

Este projecto representará uma poupança em energia (térmica e eléctrica) de 800 MWh por ano, uma diminuição da emissão de 136 toneladas CO2 por ano e uma poupança em água de 27.411 metros cúbicos por ano.

 

Ou seja – adiantou Adolfo Vidal em declarações à Lusa – "menos 47% no consumo de energia, menos 50% no consumo de água e menos 30% de emissões CO2".

 

Para que estes números se tornem realidade, a autarquia apostou num conjunto de medidas que foram incluídas ainda na fase de projecto. Por exemplo, as águas pluviais e as águas usadas nas instalações sanitárias (lavatórios, chuveiros, sanitas) serão reaproveitadas para a rega e até em sanitas e urinóis.

 

As torneiras da piscina foram equipadas com sensores infravermelhos, para além de ponteiros de redução de caudal e manutenção (sensorial) da pressão, que representam uma redução de entre 25% a 43% no consumo de água.

 

Os dois tanques da piscina vão beneficiar de cobertura isotérmica para diminuição da evaporação, estando previsto, neste caso, uma redução de 23% no consumo de água.

O equipamento deverá abrir até Junho e representa um investimento de 3,4 milhões de euros, tendo sido comparticipado pelos fundos europeus em 1,8 milhões de euros.

 

Agora que Estarreja deu o pontapé de partida nas piscinas eco-eficientes, que autarquia se seguirá?
 

publicado por LX Sustentável às 16:34
link do post | comentar | favorito

pesquisa

 

Categorias

todas as tags

subscrever feeds