Artigos Facebook

Gestão sustentável de resíduos em Lisboa

arquivos

Julho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

posts recentes

Estamos aqui: lxsustentav...

O LX Sustentável mudou

Mais vale tarde do que nu...

A resposta de Pachauri

Ainda Brasília (mas agora...

Não há cidades perfeitas ...

Vamos ter uma Segunda Cir...

Planeta pode entrar em ca...

Siemens e LNEC vão avalia...

Como seriam as cidades se...

Quarta-feira, 31 de Março de 2010

Taipei 101 volta a bater um recorde, mas desta vez em versão sustentável

Durante cinco anos anos, o Taipei 101, de Taiwan, foi o edifício mais alto do mundo, tornado-se famoso por ter ultrapassado as Petronas Twin Towers de Kuala Lumpur, na Malásia.

 

Agora, que foi ele também ultrapassado em altura pelo Burj Khalifa, do Dubai, o Taipei 101 quer torna-se na maior estrutura “verde” do mundo, ao completar uma série de tarefas correspondentes a standards de energia limpa.

 

Este projecto vai custar cerca de 1,4 milhões de euros durante o próximo ano e vai responder a mais de 100 critérios de certificação ambiental – os necessário para ultrapassar o Burj Khalifa em critérios de sustentabilidade.

 

Segundo os responsáveis do Taipei 101, a norte-americana Leadership in Energy and Environmental Design deverá ceder-lhes o certificado ambiental em 2011.

 

“Estamos agora focados em tornarmo-nos num monumento de Taiwan, isto não se vai alterar, [mas sobretudo] em tornarmo-nos “verdes”. Seremos o edifício mais alto a obter um certificado “verde”, explicou o porta-voz do edifício, Michael Liu, à Reuters.

 

O Taipei 101 irá também trabalhar em conjunto com os cerca 85 senhorios do edifício para cortar a utilização de electricidade e água, ao mesmo tempo que os encorajará a reciclar mais. Estas (simples) acções ajudarão a poupar, anualmente, perto de 650 mil euros. Também os restaurantes serão aconselhados a trazer alimentos locais, para reduzir o seu transporte.

 

“Podemos reduzir a energia, lixo e o [consumo de] água em mais de 10%”, explicou. “Já somos, actualmente, bastante ‘verdes’, por isso, em princípio, não haverá grandes problemas”, continuou.

 

Segundo a Reuters, os edifícios asiáticos não são propriamente reconhecidos pelo seu histórico de sustentabilidade – pelo contrário. Isto apesar de Ásia ter actualmente a mais pujante indústria da construção. Pode ser que a visão mais sustentável do novo Taipei 101 ajude a modificar esta percepção.

publicado por LX Sustentável às 15:27
link do post | comentar | favorito

pesquisa

 

Categorias

todas as tags

subscrever feeds