Artigos Facebook

Gestão sustentável de resíduos em Lisboa

arquivos

Julho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

posts recentes

Estamos aqui: lxsustentav...

O LX Sustentável mudou

Mais vale tarde do que nu...

A resposta de Pachauri

Ainda Brasília (mas agora...

Não há cidades perfeitas ...

Vamos ter uma Segunda Cir...

Planeta pode entrar em ca...

Siemens e LNEC vão avalia...

Como seriam as cidades se...

Quarta-feira, 7 de Abril de 2010

O Túnel do Marquês é o lugar mais poluído do país

É - e com razão de ser - um dos temas que dominou a manhã informativa. Segundo o jornal i, o Túnel do Marquês em hora de ponta é o lugar mais poluído do país. A conclusão é do Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL), que diz que os níveis de poluição no interior do (polémico) túnel é dez vezes superior ao limite legal.

 

De acordo com o estudo, enquanto que nas principais zonas urbanas da capital portuguesa a média de partículas na atmosfera ronda os 50 microgramas por metro cúbico, no Túnel do Marquês esse valor dispara para os 500 microgramas.

 

"As emissões de CO2 na atmosfera preocupam a generalidade das pessoas " – começa por dizer o engenheiro ambiental do ISEL e coordenador do estudo, Manuel Matos. “Mas as partículas são os constituintes mais perigosos para a saúde pública”, continua.

 

Assim, e por serem pequenas, as partículas infiltram-se rapidamente nos pulmões e são absorvidas na corrente sanguínea, originando um leque alargado de doenças respiratórias e pulmonares.

 

No entanto, as partículas encontradas no Túnel do Marquês são ainda mais perigosas, uma vez que 80% da sua composição é carbono. Segundo o ISEL, isto significa que boa parte do ar que se respira dentro do túnel é composto por restos de combustível queimado, metais libertados pela parte mecânica dos automóveis e ainda resíduos que se soltam dos catalisadores.

 

Recordam-se da discussão que tivemos no LXSustentável, há uma semana, sobre mobilidade sustentável? Aqui está um pormenor que muito importante e que simplesmente não podemos descurar.

 

O jornal i diz ainda que a poluição é um fenómeno associados a todas as passagens subterrâneas rodoviárias, no entanto no caso do Túnel do Marquês este problema é mais grave porque existe um cocktail de características perigosas: “É demasiado comprido e tem um elevado declive”, explica Manuel Matos. Leia aqui

publicado por LX Sustentável às 15:21
link do post | favorito
De Pedro Gomes a 8 de Abril de 2010 às 18:40
A notícia está claramente mal escrita, pois apresenta erros que certamente não terão tido origem no estudo do ISEL. Apesar de não ter lido o documento (e portanto não posso confirmar tudo o que vem noticiado), é um erro comparar os 500 ug/m3 de partículas medidos no túnel em hora de ponta com o valor-limite legal para protecção da saúde humana (50 ug/m3 durante 24h). Este valor-limite refere-se à concentração de partículas no ar ambiente (Ar exterior, ao nível da troposfera, excluindo os locais de trabalho), não se aplicando obviamente a túneis. Por outro lado, as bases temporais das medições são completamente diferentes, e por esta razão não se pode comparar valores medidos durante as horas de ponta com valores referentes a uma média diária. Sobretudo quando sabemos que um automobilista apenas passa alguns minutos dentro do túnel propriamente dito.

De resto, como se conclui na notícia que o Túnel é o local mais poluído do pais? Não sabemos se se avaliou a qualidade do ar noutros túneis, como o da Av. João XXI ou o túnel do Grilo, daí não haver termo directo de comparação. Era interessante ter acesso aos valores obtidos nas medições levadas a cabo na Av. Liberdade (eu sei que também fizeram medições no topo da estação de qualidade do ar, pois vi lá o amostrador gravimétrico utilizado no estudo).

De resto, concordo que estes níveis de poluição são um problema que necessita de uma solução, e que o grosso das partículas emitidas tem origem directa nos escapes dos veículos, sobretudo os diesel. Solução: para além de medidas de cariz tecnológico (com vista à melhoria do desempenho ambiental dos veículos) desincentivar o uso do transporte individual, através do aumento da atractividade do transporte colectivo e da fiscalização eficaz do estacionamento ilegal na cidade de Lisboa.
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


pesquisa

 

Categorias

todas as tags

subscrever feeds