Artigos Facebook

Gestão sustentável de resíduos em Lisboa

arquivos

Julho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

posts recentes

Estamos aqui: lxsustentav...

O LX Sustentável mudou

Mais vale tarde do que nu...

A resposta de Pachauri

Ainda Brasília (mas agora...

Não há cidades perfeitas ...

Vamos ter uma Segunda Cir...

Planeta pode entrar em ca...

Siemens e LNEC vão avalia...

Como seriam as cidades se...

Sexta-feira, 23 de Abril de 2010

Vamos ter uma Segunda Circular boulevard?

Acha que a Segunda Circular é apenas uma extensão da A1? É apenas uma espécie de auto-estrada dentro da cidade? O vereador da Câmara Municipal de Lisboa, Manuel Salgado, acha que sim.

 

Segundo a Agência Lusa, Salgado diz que a Segunda Circular tem de ser “redesenhada” e que a autarquia lisboeta vai começar já este ano a estudar possíveis alterações a esta via.

 

“[A Segunda Circular está] cada vez mais transformada numa grande auto-estrada” com três faixas em cada sentido, separador central e “poucas entradas e saídas”, referiu à Lusa. Assim, e “com a conclusão da CRIL (Circular Regional Interior de Lisboa), é possível transformar a Segunda Circular numa via de carácter mais urbano, mais próximo do conceito de boulevard”.

 

“Há uma série de oportunidades a estudar”, continuou.

 

Os troços entre as Calvanas e a Encarnação e entre o Colégio Militar e o Fonte Nova são algumas das zonas que deverão ser repensadas ainda este ano. As novas soluções estender-se-ão também à passagem de peões.

 

“Vamos começar a estudar e o estudo pode gerar oportunidades. Definimos o objectivo, agora é preciso torná-lo viável”, explicou. Teoricamente, continuou Manuel Salgado, é possível uma ligação com galeria comercial entre o Centro Comercial Colombo e o Estádio da Luz, “ligando ao parque de estacionamento”.

 

As obras na via já estão previstas no novo Plano Director Municipal. Em relação ao financiamento das obras, Manuel Salgado disse que existem várias soluções passíveis de gerar receitas, tendo em conta a “grande capacidade de edificabilidade” de alguns locais. Mas a que preço, perguntamos nós?

publicado por LX Sustentável às 12:22
link do post | favorito
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


pesquisa

 

Categorias

todas as tags

subscrever feeds